Entenda o efeito terapêutico dos canabinoides presentes na Cannabis

A Cannabis é uma planta de origem asiática que possui diversos fitoquímicos na sua composição. Ela pode variar entre Sativa, Indica e Ruderalis. O efeito terapêutico de uma variedade de cannabis é determinado pela porcentagem de canabinoides, terpenos, flavonóides e outras substâncias ativas que encontramos nas diferentes espécies da planta.

Os terpenos modulam e complementam os efeitos dos canabinóides, além de proporcionar o sabor e o cheiro de cada variedade.

Os terpenos e os canabinóides são substâncias voláteis ou semivoláteis, pelo que a sua quantificação é feita por cromatografia, técnica que serve para caracterizar compostos de uma mistura complexa. Atualmente, a Cromatografia em Coluna Líquida de Alta Precisão, ou HPLC, é a técnica mais precisa para quantificar os componentes da cannabis. O resultado de uma cromatografia indica a quantidade de cada canabinóide ou terpeno analisado e é expresso em porcentagem em relação a 100% do peso total:

Se tivéssemos, por exemplo, 1g de material vegetal cuja cromatografia indica 10% de THC, saberíamos que essa amostra contém 100mg de THC, ou seja, em 100mg teríamos 10mg, e assim por diante.

Como os diferentes canabinoides e terpenos têm efeitos diferentes, sabendo a quantidade de ambos os componentes que as diferentes variedades da planta contêm, podemos usar um ou outro dependendo da doença ou sintomas apresentados pelo paciente.

De certa forma, isso permite que o tratamento seja individualizado, o que não é fácil, pois o efeito final da cannabis depende de múltiplos fatores como: peso corporal, exposição prévia, metabolismo e tolerância, entre outros.

Devido à variabilidade nas porcentagens de diferentes canabinóides, quando usamos a planta inteira ou derivados dela (e não canabinóides isolados) é difícil ter um fornecimento regular de produtos fitoterápicos para acompanhar os tratamentos. É de vital importância usar produtos padronizados e analisados ​​corretamente para saber a porcentagem exata de canabinóides e terpenos que estamos administrando ao paciente. Também é importante controlar a possível presença de contaminantes como metais pesados, pesticidas, fungicidas, bactérias, fungos, etc. administração, por exemplo.

Está gostando do conteúdo? compartilhe!